Desfrute da Leitura...

Seja um leitor. Aproveite!!

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

''Burros'' por ignorância



Ignorantes devem ser tratados com ignorância. Não dá para acreditar que ainda existe tanta gente mal-educada nessa cidade de Santarém. Pior. Será que o vocabulário precisa ser bem mais claro, de fácil compreensão – ainda mais -  para fixar à mente de cada pessoa de que não é correto jogar lixo no meio ambiente?

Todos os dias é sempre a mesma história, a mesma conversa...mesmo assim a população não aprende, não se educa, não tem bom senso, não se conscientiza a respeito do que pode ou não ser feito. Às margens da rodovia Everaldo Martins, no esgoto na frente da cidade, nas ruas periféricas e até mesmo no centro, por exemplo, são lixeiros a céu aberto, onde se concentra animais transmissores de doenças e, para agravar ainda mais a situação, queimadas.

Todos os anos alguns líderes de campanhas de prevenção ao ambiente alertam, explicam da maneira mais acessível possível, uma vez que o vocabulário mais rebuscado não pode ser entendido por fulano ou cicrano...porém a destruição ambiental só aumenta e tende a agravar ainda mais. Danos aos lençóis freáticos, poluição no rio e proliferação de doenças. É triste a situação visual, natural de Santarém. E pior são as pessoas que a destrói.

Se com educação, prevenção, portanto, não são suficientes para ``abrir’’ a mente desses mal-educados,mas não por natureza e sim por ignorância, o melhor a se fazer é tratá-los da mesma forma: sendo rígidos, duros, puni-los com seriedade e não permitir abusos e nem prevalecer classes. Se outras cidades do Brasil, como Curitiba pôde educar, conscientizar sua população, Santarém, apesar de não ter toda estrutura da cidade do Sul, mas todos são seres humanos e racionais, logo têm a mesma capacidade de aprender a ser educado e a preservar o meio ambiente, a sua cidade, seu patrimônio cultural,ambiental...

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Faça de ti um rei!


Onde há rei há súditos. Não é porque a história traz isso como uma regra que todos devem segui-la. Pelo contrário. Quem tem personalidade, sabe realmente do que pode não se deixa levar por hierarquia e nem por interesses. Quem é rei que compre seu escravo, porque impor a ordem num ser pensante e digno de sua capacidade intelectual, moral...já não é mais possível,ao menos que ele queira.

Só quem realmente se presta a isso são pessoas que não confiam em si mesmas, que desprezam seu poder mental e acabam se contentando com o que tem, mesmo não sendo delas. Não seja assim, pois se o rei – não o da história, mas o da vida real – chegou ao trono qualquer um pode também chegar.

É claro que há o lado solidário, prestativo...e isso é extremamente fundamental,uma vez que todo rei passou por momentos de súdito, fazendo-o aprender e reconhecer aos passos de seu superior o caminho do poder, mas nunca baixou a cabeça e exclamou: ``faça de mim seu escravo’’! ou ``faça de mim seu súdito eterno’’!

A vida é assim: súditos tratados como súditos e rei tratado como rei. Isso logicamente poderia ser diferente se todos pensassem a la seus mestres. Mas não. As pobres mentes se contentam com o pouco que lhe dão e esquecem de que poderiam ser melhores . É difícil chegar a uma afirmação concreta, haja vista que alguns são súditos por bondade e outros por medo,porém a mensagem será deixada: não seja medíocre!


Postado no dia 08 de Janeiro de 2012



À espera do mestre...


Em algum lugar e momento da minha vida li que devemos superar nossos mestres. Perguntei-me: como fazer isso? Então eu mesmo respondi: fazendo o que eles deixaram de fazer, pensar do jeito como eles não conseguiram pensar, ver do jeito como eles não conseguiram ver, ser um pouco louco, mas não irracional, e olhar com outros olhos.

Realmente, isso é uma tremenda loucura. Não pelo fato de fazer tudo diferente, mas sim de como descobrir o que eles deixaram de acreditar, ver,fazer,pensar...Ainda estou me programando quanto a isso, sendo crítico, mas não ignorante, para conseguir realizar o que meu mestre não fez, melhor,deixou de fazer.

Sei que vou ter de trabalhar bastante, suar a camisa e pensar além do suficiente. Será árduo, mas para todo sacrifício existe uma recompensa. Pode ser que tarde, no entanto, em algum instante da minha vida superarei meu mestre.

Estou a caminho... o mestre ainda não sei quem é, mas quando ele aparecer quero que saiba o quanto posso surpreendê-lo. O mestre um dia também foi discípulo. Eu estou sendo um,mas vou superá-lo.

Postado no dia 02 de Janeiro de 2012


Ela também merece viver...


Um país tão rico em minérios, mas ao mesmo tempo tão pobre e miserável. Na mesma proporção que o continente africano enriquece outros países a África fica ainda mais fraca economicamente. É inaceitável e deprimente o tanto que esse povo sofre, principalmente quando se tem uma enorme quantidade de dinheiro camuflado em diamantes e entre outros preciosos minerais.

Não basta possuir bens é preciso ter poderes. É o que falta na África. Asiáticos, americanos, europeus...com a maior facilidade exploram as terras desse povo sofrido e lucram bilhões de dólares, euros..todos os anos com os bens  e o trabalho escravo alheio. E para ser pior, deixam centenas de milhares de famílias sem ter a menor condição de viver. Pobre África!

Serra Leoa é um bom exemplo. Um país riquíssimo em pedras preciosas, no entanto ocupa a sétima posição dentre os países mais pobres do mundo. O motivo é o de sempre, indústrias estrangeiras controlam toda a riqueza desse país e limitam as condições de vida dessa população. Já não bastasse o prejuízo financeiro acabam estimulando os conflitos entre os povos e piorando ainda mais esse cenário lamentável.

Até quando isso irá perdurar? O mais fácil é saber até quando existirão minérios, pois assim saberão quando o povo africano será extinto. Infelizmente, mas o destino dessas pessoas é irreversível, o que está pior só tende a piorar. O melhor a fazer, portanto, é ajudar ao máximo esse continente que tanto sofreu e sofre de fome, doenças, miséria, pobreza....ao invés de só lamentar e sentir pena. Eles também são seres humanos. Eles também merecem viver. Eles também são filhos de DEUS. 

Postado no dia 27/12/2011




Dona Helena...


Nascida no dia 24 de Dezembro de 1925, foi uma baixinha brava, mas ao mesmo tempo uma pessoa maravilhosa, de personalidade forte, cheia de valores, que gostava de viajar, que sabia dizer não na hora certa e sim no momento oportuno.
  
Foi uma mulher bastante religiosa, a senhora do terço das 18:00 horas. Foi realmente a matriarca da família Siqueira, cuidando um pouco da educação dos netos, mas os (netos) mais velhos foram bem mais privilegiados.

Foi uma mulher que só ao vê-la transmitia respeito, honestidade e autoridade. Não era chata, antes que alguém imagine isso, era sensata e sincera. 

Foi uma mulher de costumes. Sair de casa sem antes ir à sanitária, como ela dizia era impossível. Ao terminar de se alimentar e agradecer da sua melhor maneira, então, era uma de suas marcas: "Obrigada", "Obrigada de tatu só não como mais porque fartu", "Obrigada de cutia só não comi mais porque não pudia"

Enfim, foi uma mulher guerreira. A professora das escolinhas de várzea, a mulher das mais curiosas histórias de sítio, nas quais o meu avô era um dos personagens principais. Mãe de sete filhos, sendo que um morreu ao nascer. Foi uma das grandes mulheres que já conheci em minha vida.

Foram anos de muita convivência e aprendizados inesquecíveis, até nos seus últimos dias de vida aprendi com essa baixinha. Tudo ficou na memória e tudo será recordado durante os meus próximos anos de vida, porque uma mulher assim não é todo dia que se tem a honra de conhecer,nem de conviver. Essa mulher foi Helena Neves Pedroso, minha vó.


Postado no dia 24/12/2011




A festa do ano...


Natal nada mais é do que o último feriado do ano todo. É o refúgio daqueles que passaram os 12 meses do ano trabalhando, estudando...O lado religioso foi esquecido faz tempo. O dia 25 de Dezembro é somente mais uma confraternização, na qual há troca de presentes e muito espumante. Isso é natal.

Foi-se a época em que a religiosidade prevalecia, quando realmente tinha o natal como o nascimento de Cristo. Alguns até que tentam deixar essa tradição cristã viva, mas a modernidade conspirou a favor somente da festa, da reunião de amigos e famílias. Nada mais que isso.

Não é radicalismo, basta prestar bem atenção entorno de si que qualquer um conseguirá visualizar o mais novo e verdadeiro sentido da festa natalina. Parentes chegando de outras cidades, uns de férias...e com um único e simples objetivo que é jantar no dia 24,trocar presentes, e à meia noite, já no dia 25, estourar champanhe ou algo do tipo.

Infelizmente, mas é dessa maneira que a maioria da população ver a festa natalina. Não que comemorações, presentes, comida, amigos, família...não sejam algo para se comemorar e agradecer, o que indaga é a maneira como as pessoas vêem o natal, ou seja, Jesus Cristo , como o centro da festa, não passa de um figurante. Natal, portanto, é o dia para se confraternizar. Só isso!
                                                                

Postado no dia 15/12/2011




Não tenha medo!!


Os sonhos devem realmente ser alcançados mesmo se existirem dificuldades, obstáculos... O importante é nunca deixar de persegui-los e nem baixar a cabeça se eles não chegarem o mais rápido possível. Chorar, lamentar.. não leva a lugar algum. Desistir não é a solução. Persistir é o mais importante. Busque, corra atrás do que é seu, mas nunca desista, mesmo que demore, mesmo que pareça difícil, um dia chegará a sua vez. Não seja fraco à derrota e nem se vanglorie com a vitória. Tudo acontecerá no momento certo, mas desistir não é o objetivo.

Muitos acabam desistindo por se acharem inferiores. Ninguém é maior ou menor que o outro. Todos são capazes de lutar e alcançar o que se pretende. Não conseguir vencer na primeira tentativa, não é sinal de que não vencerá na segunda. Quem abandona o que se sonhava em conseguir, está abandonando um sonho que poderia ser concretizado. Dane-se àqueles que te humilham, àqueles que te inferiorizam... Quem ouve aos outros, ouvi a qualquer um...Não se deixe levar por àqueles que param em qualquer pedrinha, seja um guerreiro,seja um vencedor. Não deixe de lutar pelo que é seu. Vença!!!!

Postado no dia 03/12/2011




Menos um Kadafi...


Muamar Kadafi comprovou que ditados populares são, realmente, válidos. A Líbia ‘’chora de alegria´´. Rebeldes são mais que idolatrados, são heróis. Foram anos de sofrimento, de muita luta, indignação...mas o 20 de outubro de 2011 será lembrado com muita felicidade e alivio pelo povo da Líbia. Viva a Liberdade!

Foi um ditador, mas, além disso, foi um exterminador de vidas, a verdadeira personificação do diabo. Aterrorizou a Líbia por mais de 40anos. A população, nessa época, jamais sentiu o prazer de ser livre. Ele era dono, tinha poder – um poder de repreensão – e com ele fazia suas vítimas, o mal. Demorou, mas ‘’antes tarde do que nunca´´.

A Líbia vive um momento de glória, prazer e alegria. Sentimentos que não existiam há décadas. A liberdade, então, talvez nem saibam ou sabiam o que era. ‘’Os últimos serão os primeiros´´. Mais uma vez o povo teve razão. E graças a essa união, ao comprometimento de lutar pela nação, pelos filhos daquela região, Kadaffi pagou pelos seus atos de ódio ou simplesmente de brutalidade. Foi massacrado pelos rebeldes.

Foi um país que brigou, aguerrido, que apesar do tempo, da espera, do domínio do mais poderoso, conseguiu quebrar a  ignorância daqueles que se acham os donos do mundo,  daqueles que acreditam na superioridade, mas sem pudor, sobre as outras pessoas. Kadaffi mereceu - mesmo não sendo o suficiente para recompensar o que ele tanto fez durante anos de ditadura e extermínio - pela maneira como foi morto. Uma morte mais do que aceitável, digna para um ser tão frio e sem escrúpulos. Kadaffi concretizou mais um ditado ‘’Colhemos o que plantamos’’.

Postado no dia 21/10/2011




O final - do ano - mais aguardado


Fim do ano: pensa-se em festas, férias, confraternização, viagens... já os incansáveis jovens estudantes pensam em vestibular,melhor,passar por ele. Os quatro últimos meses do ano são os mais aguardados. Nesse período começa a TPPV (Tensão Pré e Pós Vestibular) para centenas de milhares de aprendizes e desbravadores do conhecimento. Mais uma etapa da vida racional a ser cumprida.

A preparação é tensa e o otimismo é substituído pela incerteza e pela desconfiança de se alcançar a vitória. São dias de muita luta, cansaço, medo, sonho... Sentimentos que abalam e estimulam o bom estudante. É um jogo em que o mais preparado psicologicamente e em conhecimento vence. Às vezes essa regra não cabe. Alunos do Sul disputando uma vaga com os do Norte. Do leste concorrendo com os do Oeste. Realmente, é uma luta de ``cabeças''. 

O lado bom disso é comemorar o esforço de um ano ou mais de preparação, mas nem sempre isso é possível, concretizado. Lembra da regra? Vestibular é um jogo, pode até ser comparado ao xadrez, no qual a paciência, a inteligência, a esperteza e o autocontrole são indispensáveis. Ganhar depende de detalhes que são imperceptíveis, porém fazem a maior diferença. É como um time de futebol, o meio deve ser pensante para que o ataque consiga ser o mais eficiente possível, ou seja, se o passe não é bem executado o ataque jamais fará o gol.

Vestibular. Palavra tão simples, mas que intimida muita gente. O inventor dessa expressão talvez nem imaginasse o quanto algumas sílabas atormentariam tantas pessoas no fim de cada ano. O melhor, então, é ser amigo e fazer por merecer, lembrar, principalmente, de que o cérebro não só guarda conhecimento, mas também funciona como um manipulador das principais emoções vividas pelo Homem. Que venha, então, o vestibular!!!!

Postado no dia 14/10/2011



Falta Amor...!


Os jogadores do elenco brasileiro não são malfadados, mas são incompetentes e soberbos. Além disso, não menos importante, para ser xerife, comandar o Brasil tem de ter fibra, garra, ``pé quente''e bravura. Do que adianta representar a seleção sem responsabilidade e comprometimento? Ganham muito bem, porém, não devem colocar a conta bancária, a fama ou a exibição individual em primeiro lugar, mas sim o futebol, o amor à camisa. 

A Copa América foi excelente, mostrou com a perfeição a postura dos jogadores e a falta de humildade, de igualdade com as demais seleções, como se eles fossem os imbatíveis, os invencíveis. Mas não. Foram incapazes e, principalmente, não honraram as cores que vestiram, o país que representaram e representam. O dinheiro, a fama, o ego ``falaram'' bem mais alto do que a vontade de vencer, competir verdadeiramente, mas em busca, sempre, da vitória. Houve exceções, mas o grupo, o todo é superior.

Não situado dentro das quatro linhas, o técnico é o outro com ``culpa no cartório''. Não é grosseiro e nem ignorante como o ex- comandante, mas para dirigir um elenco, com jogadores diferenciados, alguns no auge da fama, ganhando milhões de reais todo mês, depende da bravura, do espírito de liderança, ser dono do território, pois assim impede o famoso ``sapato alto''. Tem de haver muita ganância, também, vontade e positividade para vencer. A seleção é o ápice, o sonho de consumo de qualquer jogador,técnico...mas ser bom, amar jogar pela camisa são requisitos indispensáveis.

Nela não tem mais Ronaldo, Romário, Zico, Felipão, Telê...mas seria interessante se alguns jogadores e técnico plagiassem as virtudes, as qualidades desses profissionais, talvez assim a seleção brasileira voltasse a dar alegria e gosto ao assisti-la jogando e atuando, dentro e fora dos gramados. O Brasil é um dos melhores, isso qualquer um reconhece,porém, não é por ter esse status apreciado mundialmente que pode esnobar-se e esquecer-se de jogar futebol, a camisa deve ser a referência.

Postado no dia 18/07/2011                                                 




Mais um miserável...


Mais um país para fazer parte da trágica estatística de miséria, subdesenvolvimento da África. Se tratando dos aspectos regionais são até relevantes, pode-se até apoiá-lo, mas internacionalmente, mundialmente, é apenas um Estado a mais para sofrer com os grandes e miseráveis problemas do continente africano.

Por um lado o 9 de julho, de 2011, pode ter sido sim um avanço significante para a população do Sudão do Sul, uma vez que lutava  há décadas por questões étnicas, culturais na região e, também o governo, a forma que o Sudão era governado. Foram anos de guerra civil, mas com uma vitória independente: Sudão do Sul.

Em contrapartida disso, a África, o continente ganhou mais um país para contribuir nas pesquisas feitas pela ONU: pobreza, fome, lutas internas, morte, saneamento zero...São questões como essas que realmente deveriam ser tratadas, e não a necessidade de criar novos países. Sudão do Sul conquistou sua independência, de fato, mas África ficou mais pobre.

Não dá para entender um povo o qual briga por questões, de certa forma, sem valor, em vez de lutar pelo desenvolvimento mútuo do continente. Nasceu sim um novo país, a República do Sudão do Sul, porém, ao mesmo tempo, criou-se um Estado sem recursos e com imensas dificuldades internas. Conflitar por causas culturais...não é o ideal enquanto existir a necessidade de sair desse trágico cenário de destruição social, política...A África é rica!

Postado no dia 11/07/2011




O Criador apenas ensina


Deus não castiga. Ele simplesmente nos ensina com situações inusitadas, que indagam e confundem as nossas mentes. O Pai não quer ver o filho sofrendo, mas também não deixa de repreendê-lo em momentos de falha, erro. O que aconteceu de bom ontem, talvez amanhã, depois, pode não ser tão agradável assim. O único ser sem pecado, tanto terreno como celeste, é o Senhor.

Adão e Eva são exemplos disso. Era um casal perfeito, sem qualquer mácula...mas por não suportar as tentações, o pecado, acabou recebendo repreensões do Altíssimo. Não foi castigo. A partir daí, então, a humanidade teve de viver sob circunstâncias as quais são interpretadas como castigo, desgraça vinda do Pai, como se Ele fosse o adversário, o traidor. Mas não. Ele é o mestre.

A vida é bem clara quanto a essa situação. É só enxergar para o irmão ao lado. Ele pode estar muito bem em certo momento de sua caminhada terrestre, mas noutro pode perder tudo, cair. As perguntas começam, então, a existir: o que eu fiz para receber isso, Pai? Por que eu, Pai?...Não há explicação terrena que consiga desvendar sabiamente ou com absoluta certeza as vitórias e as derrotas, mas Ele, dependendo de onde estiver, com certeza, saberá. 

O castigo é uma palavra sem valor, o ensinamento sim tem mais sentido e é mais aceito do que o mal ao próximo. Seja em qual for a situação, para tudo nessa vida, existe um aprendizado e esse, sem hesitar, é para o bem, jamais para a desgraça. O Ser Humano é pecador, mas Deus é piedoso e sem pecado...O castigo não faz parte do dicionário Dele, o ensinar sim. `` Deus escreve certo em linhas tortas''.

Postado no dia 08/07/2011





São ''modinhas''


Os adolescentes dependem das modinhas para melhorar a sua autoestima. É efêmero, mas são elas que dão um toque especial, principalmente, no modo de se vestir, falar e conviver com outros jovens da mesma idade. É importante, no entanto, não é nenhum privilégio, uma vez que essas não perduram por muito tempo. Pobres garotos.

No começo tudo é maravilhoso, são estilos arraigados, gírias de outro mundo e até a alimentação sofre com essa fase. Não são todos, mas a maioria adere a esses costumes pré-estabelecidos. Alguns fazem por conta própria, mas o ``vai com os outros''  é o responsável por isso. A idade é limitada, até que acabam enxergando com outros olhos o que faziam. ``Muito prazer, sou adulto.''

O exemplo disso são as famosas tribos urbanas. Seja em São Paulo ou em Santarém, o  comportamento é o mesmo, a estética, o modo de vida...Para eles o que importa, obviamente, é o momento, a felicidade de ser um jovem livre e satisfeito com suas escolhas. O livre arbítrio os permite fazer o que bem entender, por isso que aproveitam cada minuto dessa fase tão passageira, repentina.

Se as modas exercem, de fato, sobre os adolescentes uma nova postura, um novo olhar diante do mundo, talvez seja para permitir, lá na frente, que olhem o quanto foi necessário ser um garoto ``nem aí pra nada'', ``nem aí pra vida''. Portanto, esse é o planeta no qual se vive intensamente, livre e preconceituosamente até ``morrer'' e ``renascer'' no ambiente dos adultos. É só mais uma moda...
                                                                               
Postado no dia 11/06/2011



Descendentes de Bin


O Obama incomodou as abelhas. Se Osama já era tão temido e poderoso quando vivo, morto o terrorismo será bem pior. Mesmo que seja verdadeira a suposta morte. Bin Laden deixou descendentes que são capazes de fazer o pior possível para honrar seu mestre. Os Estados Unidos irritaram os discípulos de Bin.

Foram 10 anos de muita insistência, procura, vigilância total para descobrir e acabar com a raça do terrorista mais perigoso do mundo. Só que os norte-americanos não imaginavam a ira, a paixão, o amor excessivo dos ``filhos’’ de Osama Bin Laden. O que poderia ser o fim pode agora, então, ser o início de uma era terrorista muito pior. O espírito de Osama multiplicou-se e reencarnou em cada um de seus aliados.

Se antes o rei do terrorismo era tão influente, que produzia um grande efeito sobre o mundo, com suas ameaças terroristas e pelo dia que marcou na história do planeta, com ``aviões-bomba’’...morto , o ódio, a vingança, o rancor, agora o mal será bem pior do que o dele vivo. Os Estados Unidos da América mexeram na ``colmeia’’ mais perigosa e sem um pingo de racionalidade no que diz respeito a consequências para a humanidade.

Com Osama era perigoso, sem ele fica muito mais. Quem tanto pediu para que Bin morresse, nesse momento, talvez, esteja pensando no sentimento de vingança que ele deixou em seus discípulos. Os 10 anos tão esperados podem não trazer grandes comemorações. O fim do terrorismo está muito longe de acontecer. Quem teve um Bin Laden terá sempre mais ``Bins’’ para substituí-lo. A guerra está só começando.
                                                                                       
Postado no dia 14/05/2011



Cadê o corpo?


Os Estados Unidos só enganam os americanos. É enigmático o que aconteceu, pois somente os soldados do país norte-americano puderam ver Osama morto. Algumas justificativas são até plausíveis, como, por exemplo, a questão da cultura do Oriente em relação ao sepultamento; e também para evitar a fúria dos seguidores ao verem a imagem do ``rei’’ morto. Fora isso, o famoso ``pé atrás’’ permanecerá até a prova, até mostrarem a imagem do ``homem 11 de Setembro’’ acabado.

Não que os Estados Unidos sejam incapazes. Pelo contrário. Têm um grande poder bélico e uma excelente e avançada tecnologia. Que por isso faz criar a bendita e pragmática dúvida da morte de Laden, haja vista que só depois de 10 anos é que conseguiram descobrir o poderio, o reduto onde Osama permaneceu por um por um bom tempo. Também não se pode negar da inteligência e do poder do multimilionário Bin. São essas as questões a serem pensadas e estudadas, mas em nenhum momento devem ser aceitas até que provem o contrário.

Por outro lado, a CIA diz que as fotos do ``homem mais odiado do mundo ‘’ existem, mas, por questões políticas, estratégicas é melhor evitar a sua divulgação mundialmente, senão poderá haver alguma revolta terrorista. Em contrapartida, afirmam que o corpo foi sepultado, embrulhado com uma vestimenta branca e jogado no mar. Mesmo que isso seja verdade, ainda não é fundamental para provara todos, principalmente, aos norte-americanos de que Osama ``foi dessa para a pior’’. O máximo que dá para fazer, alimentar o sentimento de justiça e vingança. Até o momento.

O final dessa inconveniente história, portanto, só será desvendada quando o governo dos Estados Unidos da América mostrar a prova do crime, do extermínio do `` rei dos reis do terrorismo’’. Caso isso não ocorra, o melhor será esperar até que a verdade venha à tona. Para quem já teve a família do terrorista como aliada, a morte de mentira pode ser só mais um jogo político. `` Só acredito, acreditamos vendo.’’

Postado no dia 14/05/2011


A vida é dos fortes


O bullying é para as mentes fracas. Ele prepara as pessoas para sobreviverem quando submetidos a pressões. Quem não enfrenta esse sistema de cabeça erguida sofre com as conseqüências. A vida não foi feita para coitadinhos e nem mesmo para bebês chorões. Ela foi foi construída para os fortes, para ‘’ os bons que são a maioria’’.

O exemplo disso, sem dúvida, é o do jovem que matou mais de 10 crianças no Rio de Janeiro. O vídeo, antes do massacre, mostrou muito bem a realidade das pessoas que não suportam o bullying. E, infelizmente, são essas que caem fora do sistema, do mundo real. A vida é feita de desgraças e felicidades. O bullying está entre esses horrores, mas ele não é uma arma letal. Pelo contrário. Ele prepara o Homem para as demais pressões que futuramente encontrarão durante a vida.

A vida começa na cabeça. Quem não é forte psicologicamente, não pode andar sem ajuda. A vida é`` bullyingnada’’. Só quem consegue encarar isso são aqueles que vêem tudo de um jeito normal e igual, ou seja, são aqueles que sabem lidar com as conquistas, mas também com as tristezas e desgraças da vida. Mesmo que atinja a minoria, o problema só será resolvido quando a cabeça também for, porque como diz o comercial: `` os bons são a maioria’’. Os que não são, o sistema manda embora e o bullying aproveita para tirar uma ``onda’’.

É por isso que há tantos, infelizmente, problemas sociais como esse do dia quatro de Abril. Além de não suportarem à pressão, não suportam as suas próprias emoções que, no caso deles, sempre acaba em horrores como esse da escola do Rio de Janeiro. O bullying, portanto, só tem efeito negativo se a pessoa tiver a mente fraca, porque nela, com ela, senão trabalhada corretamente, faz ``coisas’’ horrendas. O psicológico salva vidas, mas também pode matar. ``Mente vazia é oficina do diabo`.

Postado no dia 10/05/2011



E depois?


A Ciência descobriu como prolongar a vida, mas não desvendou o mistério da morte: Para onde nós e nossos entes queridos vão? A Biologia, a Química diz que o calor é dissipado; os espíritas afirmam que iremos a um patamar acima; já a Bíblia mostra o reino do Pai, o céu, como a casa depois da vida terrestre.

Só que, apesar de todas essas proposições, só quem pode realmente confirmar isso são os que morrem. Ou seja, ninguém, de certo, vai poder conhecer o nosso destino final senão morrer. É enigmático, misterioso, mas é assim a realidade: nascemos, crescemos, reproduzimos, morremos e vivemos (ou não) novamente, porém, sem saber onde.

Mesmo assim, ainda há quem possa dizer para onde vamos, só que sem descrever o ambiente. No caso dos espíritas, por exemplo, defendem a teoria do ''patamar superior’’, mas onde fica? Podemos ver?; A Ciência fala que é simplesmente a perda de calor, mas, e depois? O que acontece?; e a Bíblia, com suas escrituras? mostram um reino, onde todos ficarão ao lado de Deus, ou o inferno, onde outros viverão nas trevas, mas, por que ninguém pode ver? Por que ninguém consegue conhecer antes de morrer?

É tudo inexplicável. Todos defendem uma teoria, uma tese, mas ninguém, nenhum ser racional e mortal pôde comprovar isso. Mas uma ``coisa’’ é certa, se esses questionamentos forem plausíveis, com certeza, só quem ainda, infelizmente ou felizmente, poderá saber são os que morrerem. Enquanto isso, portanto, é melhor crer nas convicções que mais se aproximam da verdade. Porque o fato é a Ciência, o Espiritismo e o Cristianismo, cada um tem uma comprovação, mas a morte ainda só é teoria.
                                                                                      
Postado no dia 10/05/2011





A Família é a Base


A escola passa aos alunos os ensinamentos práticos. Quem dá a formação (caráter, juízo) é a família. Colocar a instituição de ensino como um refúgio para educar, resolver problemas comportamentais não é a melhor saída. A base para tudo, sem dúvida, começa em casa.
Se não fosse assim todos seriam problemáticos. Mas não são. A má formação, a estrutura familiar precária, com crises familiares ( discussões entre pai e mãe, alcoolismo, drogas...) são as responsáveis por esses grandes e lamentáveis acontecimentos, como por exemplo, o caso do jovem que atirou em mais de 10 crianças e que, no final, suicidou-se.
O que reforça ainda mais de que, realmente, se nada for feito no inicio da criação, ou seja, da educação, ainda criança, quando todos os seres humanos – há exceções- aprendem a conviver com as boas maneiras, com o certo e o errado nada funciona. Caso contrário, os resultados são esses: extermínio de crianças em escolas, homem-bomba em metrôs, aviões indo de encontro com prédios, e etc.
A escola, portanto, não é, e não pode ser a responsável pelas mazelas que acontecem no mundo. Os grandes responsáveis, por sinal, são os que choram no final de uma tragédia: os pais, a base familiar literalmente. Se não for assim, tudo poderá ser diferente, inclusive, as atitudes, o bom caráter, a boa personalidade e o bom comportamento. A escola apenas auxilia, mas de um jeito objetivo e prático, com disciplinas de instituições ( matemática, química e etc.).

Postado no dia 10/05/2011



É o jogo!


A justiça é para os ricos e as leis são para os pobres. É essa a diferença entre o Brasil e os outros países do globo, especialmente os Estados Unidos. Mas isso só acontece porque a História brasileira permitiu. Enquanto, por exemplo,o primeiro prédio brasileiro a ser construído foi uma cadeia, o dos Estados Unidos foi uma escola.
A diferença que existe é incontestável. E por conta disso que os próprios brasileiros sofrem até hoje com as desigualdades sociais e, principalmente, políticas. Não que isso seja algo de décadas atrás, mas é porque o que era ser feito no início do descobrimento não foi realizado, que era, simplesmente, o investimento em educação. Sem ela as discrepâncias jamais deixarão de existir e os problemas sócio-políticos sempre serão características da população brasileira.
O dia-a-dia deixa bem claro isso. Ricos são os únicos contemplados com a justiça, mesmo que ela não faça sentido. E os pobres são os únicos prejudicados com as leis, apesar de serem para todos. São acontecimentos como esses, atitudes como essas que mostram o porquê, a verdadeira razão do Brasil, ou melhor, o motivo da diferença entre os norte-americanos com os sul-americanos. A construção da mentalidade baseada na não-educação fez isso. Justiça e leis frágeis e povos coniventes com tudo.
O melhor seria, portanto, começar do zero, mas como, infelizmente, o Estado brasileiro é instável, o melhor seria tentar corrigir o maior erro durante sua formação, que foi, de fato, a educação. Somente ela poderia apagar as mazelas de um longo período, mas também para formar uma mentalidade mais inteligente, sem desigualdades, sem suborno, sem predominância de classes e, principalmente, com mais ``Ordem e Progresso''. Não dá para viver em um país tão democrático, mas com a democracia para poucos.
                                                                                       
Postado no dia 07/04/2011


Matadores capitalistas


Amazônia: o jardim do Homem enfeitado com soja, tratores e gados. Até quando esse cenário se perpetuará? E os governantes, até quando serão coniventes com isso? Ribeirinhos, até quando serão prejudicados? São esses e outras questões que, infelizmente, ainda não tem respostas, ou tem, mas o dinheiro abafa.
Uma região rica em biodiversidade, em matéria-prima capaz de salvar centenas de doentes...só que o governo acha melhor se aliar à soja, à exploração madeireira ( 95% da economia madeireira é ilegal) e ao bonitinho bichinho, chamado de gado. O efeito disso é notável. Vários países, agora, crescem os olhos para Amazônia, mas não é para plantar soja, nem para o desmatamento e nem para criar gado. Eles vêm com um único objetivo: explorar a farmacopeia dos vegetais, patentear e lucra com os brasileiros e os demais países, já que o Brasil não investe.
Chega a ser engraçado isso, mas os culpados estão vestidos de palitó e gravata. Eles são os verdadeiros e cúmplices desses destruidores. São bancados por interesses políticos e muito dinheiro. Consequência essa, que só mesmo o tempo, ou a própria população, se deixar de ser tão alienada, tão boba, tão incapaz de ser racional, dará a resposta. Mas enquanto não acontece, famílias são desabrigadas, tendo que migrar para as cidades e depois para as periferias dessas, porque o custo é alto. O que leva um inchaço populacional, aumento da criminalidade, aumento da taxa de natalidade, de analfabetos e o Brasil continua sendo subdesenvolvido.
A Amazônia é grande, mas não é para sempre. Tem a maior bacia hidrográfica do mundo, mas não é inesgotável se não preservar. Ela tem a maior quantidade de espécies, mas já tem algumas extinções. Portanto, assim como ela pode ser uma fábrica de matéria-prima, pode também ser uma geradora de infertilidade. E quem sairá  perdendo é o mundo, e, principalmente a população brasileira. Já os governantes e os exterminadores para obter lucro o mais alto possível ficarão apenas na utopia de ter outra Amazônia.

Postado no 07/04/2011



O país que ensina...


Os japoneses dão aula de como encarar a realidade da vida. Não é sangue frio e nem mesmo desumanidade. Pelo contrário. Eles demonstram ao mundo, em especial a turma do ocidente, de que a vida é assim: cheia de muitos obstáculos, tristezas, mas que não há por que baixar a cabeça, haja vista que a felicidade nem sempre vai ser eterna.
O tsunami mostra bem isso. Foram milhares de mortes, destruição total, principalmente de Fukushima, mas mesmo assim os japoneses não deixaram se abalar. Os que nem estavam no país sofreram mais dos que os próprios indivíduos da nação. Esclarece o motivo que faz esse ``país-ilha'' ser tão surpreendente, encantador. Além disso, mostra à população do planeta o segredo do sucesso - temperança.
Não que isso seja entendido de maneira errada, mas os olhinhos puxados são exemplos para toda a população mundial de que quem encara as tristezas, as derrotas com cabeça baixa, com certeza, não conseguirá encarar coisas piores e nem mesmo se levantar para começar tudo de novo. Mostram também o quão é necessário saber lidar com a própria vida. Ela não é feita apenas de alegrias, conquistas e vitórias, mas também é de derrotas, tropeços, armadilhas e tragédias que, às vezes, para uma população tão desesperada pode ser letal.
O país das aulas boas da vida, portanto, tem que servir de exemplo, uma vez que há tantos acontecimentos bem piores como esse, em que a nação enxerga de forma trágica, temerosa, enfim, o fim do mundo. A vida tem dois lados, mas infelizmente, o povo ainda só conhece, é acostumado a encarar apenas um, que é o da alegria, do bom tempo. Mas não pode ser assim. O outro lado, a outra parte também faz parte dela, ou seja, a queda, a derrota deve ser vista da mesma forma, com tranquilidade e positivismo sempre. O Japão ensinou ao mundo isso de um jeito espetacular. Na derrota ou na vitória o pensamento é vencer sempre.

Postado no dia 07/04/2011



Coito Interrompido


Foi Quarta-feira, dia 22 de dezembro, de 2008. Lembro-me como se fosse ontem.  Acabara de sair do colegial, muita empolgação, adrenalina e muito papo de jovem tarado.

O final de semana, como era de se esperar, era aguardado por todos. Mas só que para nós tinha um gostinho especial, era diferente: primeira vez saindo só e a primeira vez que iríamos amanhecer com tantas mulheres, mas de um jeito diferente.
Acabara a festa, um de nossos amigos sugeriu algo: '' Vamos todos lá para minha casa. A festa é liberada, meus pais saíram hoje, tudo é por minha conta''. Sem hesitar, todos aceitaram a proposta feita por ele.

Ao chegar a casa, eu, o mais novo e o mais entusiasmado com o momento, resolvi tirar proveito da situação e fui logo pegando a minha namoradinha para o meu canto. Dançamos, bebemos, puxamos um ''baseado'' bem louco e fomos para um dos quartos da casa.

Chegando lá, com toda aquela vibração, com todo aquele ''fogo'', com toda aquela adrenalina, com muito beijo na boca, camisa voando, cueca saindo...alguém bate na porta. Não dando muita moral para quem batia, gritei: `` Pode entrar, porque hoje a festa é nossa''. Quando terminei de falar, a porta se abriu aos poucos e duas vozes simultaneamente ecoaram: `` O que é isso aqui no meu quarto? Aqui não é a casa da mãe Joana...'' ``A casa caiu.'' Os pais do meu amigo chegaram, e para completar o quarto era deles.

Nesse momento, o efeito de toda e qualquer droga que havia usado desapareceu instantaneamente. Meu corpo amoleceu por completo e o meu mundo acabou naquele instante.

Postado no 07/04/2011


Sem Estado, o melhor é pagar!


Se o governo não consegue garantir uma boa universidade, o jeito é privatizar. O dinheiro tem, logo deveria haver recursos para manter uma boa instituição, mas, infelizmente, esse investimento não é aplicado. Então, se não existe essa verba o melhor é pagar caro, mas com a certeza de um bom ensino.
As Federais, as Estaduais são excelentes, mas quando funcionam de forma adequada. Os diplomas ''pesam'', os professores são cheios de graduações, mas não são pagos de acordo, gerando insatisfação e mau comprometimento  com a Universidade e com os alunos. No final disso, o curso é mal visto e o profissional, apesar do diploma, é desvalorizado, uma vez que o mercado exige, mas não dá retorno.
As particulares, por conta disso, acabam formando alunos bem mais preparados, mas por um preço maior, ao contrário das públicas que excluem qualquer taxa para estudar. Em compensação, os professores estão disponíveis, compromissados  em apenas servi-los em pról do sucesso e não apenas da instituição de ensino, mas também dele e do próprio aluno. Assim, concorrerá, e se deixar, ''roubará'' as vagas dos federais ou estaduais.
As públicas não são melhores do que das particulares ou vice-versa. Só precisa haver uma responsabilidade do governo para com os alunos e professores que dependem das verbas e do ensino, principalmente. O diploma de uma Federal pode ser bem mais ''pesado'' na hora de concorrer a um emprego do que uma particular, mas, se o ensino não recompensar o nome, nada vale.

Postado no 24/03/2011


Carta a um professor


Professora Flávia,

Realmente, de fato, a disciplina História nunca foi o meu forte. Tenho que admitir também que a sua matéria é chata por não ter assunto novo. Sai ano, entra ano, os índios continuam os mesmos, os gregos com os mesmos cabelos crespos e os romanos com as mesmas características e atitudes. Mas tinha um gosto a mais em assistir às suas aulas, que era o seu jeito de ensinar.

As minhas professoras de História nunca foram boas e nem competentes o suficiente. Elas mesmas já eram a História, ou seja, só em vê-las se tornava exaustivo e deprimente. Só que os tempos mudam, ainda bem. As aulas já foram outras, quer dizer, a professora já era outra. Minha mente já foi bem mais desenvolvida nas suas aulas, e a História só estava começando.

No primeiro ano, tenho de confessar que não aprendi absolutamente nada com as suas explicações. A minha atenção sempre era desviada para outros lugares que me hipnotizavam. Ainda bem que conseguia aprender sozinho. No segundo ano, a História já se desenvolvia bem melhor, em todos os aspectos. A atenção já se desviava  um pouco (menos) para a História. E, felizmente ou infelizmente, terceiro ano as minhas melhores aulas da sua disciplina estavam acabando.

Então, a História, assim como o assunto, jamais foi degustada com tanto prazer quanto era em assistir à sua explicação. Mas como os tempos, mais uma vez, mudam, posso lhe garantir o quanto foi belo aprender História, apesar das tantas dificuldades. 

Postado no dia 26/02/2011



O Mistério Mortal


A morte fascina, mas também comove
Ela te leva ao desespero, mas também à calma
Te deixa exausto, mas depois passa
Te faz refletir, mas depois a realidade vem à tona

A morte fascina, mas também comove
Ela pode te levar à insônia, mas o sono sempre vem
Te deixa triste, mas acaba trazendo o entusiasmo de volta
Te faz mil perguntas, mas a resposta não vem

A morte fascina, mas também comove
Ela faz o perdão florescer, mas a culpa sempre existe
Te faz imaginar besteiras, mas o tempo apaga
Te deixa estático, mas logo a ficha cai

A morte fascina, mas também comove
Ela traz a união, mas o compromisso destrói
Te deixa sensível, mas a razão toma conta depois
Te mostra os verdadeiros, mas não entrega os falsos

A morte fascina, mas também comove
Ela tenta explicar, mas é uma ‘’ciência’’ dificílima
Te deixa louco por alguns instantes, mas não para sempre
Te leva embora, mas não diz para onde.


Postado no dia 26/02/2011